Porque é que a maior parte das pessoas não encontra a sua missão?

Vivemos numa sociedade que molda comportamentos em vez de ajudar a libertar a essência, única, que existe dentro de cada pessoa.

Seguem-se padrões, códigos culturais, recriam-se ambientes emocionais, porque vivemos numa sociedade onde o amor é condicionado.

Porque somos aceites e amados?

Somos “aceites” e “amados” não por aquilo que somos verdadeiramente mas, sim, se fazemos e dizemos aquilo que é aceite no seio familiar, social, escolar, etc. Muitas vezes, pensando e sentindo de forma diferente.

Amor-Próprio é egoísmo?

Fazem-nos acreditar que ter amor-próprio é sermos egoístas. Crescemos, muitas vezes, a não saber gostar de nós. Muitas vezes, se nos perguntam o que queremos, não sabemos responder.

Vive-se em piloto-automático. Repetem-se comportamentos, atrás de comportamentos. Vive-se à pressa e, nunca ou quase nunca, paramos para descobrir se o que fazemos, o que dizemos é realmente coincidente com aquilo que pensamos e sentimos, muitas vezes, em segredo.

O melhor é ninguém saber, pensam muitos, pois corro o risco de ser discriminado.

Vive-se a ser o produto das vozes dos outros. Esquecemo-nos e, muitas vezes, nem percebemos que somos mais do que um produto moldado.

Podemos descobrir quem somos, ser quem somos. Dar o melhor de nós a nós próprios e, com toda a certeza, dar o melhor de nós ao mundo.

Mesmo que alguém ou alguéns te digam o contrário, Acredita e confia em ti. Descobre a melhor versão de ti.

Deixe um comentário