O Que Podes Saber Sobre O Stress

Na vida o princípio da impermanência está sempre presente.

Tudo é temporário.

Tudo passa, tudo muda.

Normalmente, não nos é ensinado que tudo está em constante movimento. Pelo contrário, definem-se linhas orientadoras e lineares do percursso de vida, de acordo com padrões comportamentais instituídos.

Acreditamos que se seguirmos a linearidade definida, estaremos sempre seguros e a salvo.

Quando o processo de linearidade é quebrado, o que acontece?

Medo e insegurança são os dois sentimentos que se escondem por detrás da palavra stress.

O medo, a insegurança e a exposição permanente à mudança criam, muitas vezes, tensão.

A tensão cria preocupação.

A preocupação cria insónia.

Insónia – preocupação; preocupação – insónia.

O ciclo vicioso instala-se.

A preocupação toma proporções aglutinadoras.

A turbulência de pensamentos confusos e difusos, instala-se na mente.

Vive-se assustado.

Antecipando, normalmente de forma negativa, os resultados das decisões tomadas.

Os níveis de auto-estima e de amor-próprio são baixos. Sem confiança em si próprio, não é possível ter fé e confiança na obtenção de bons resultados.

Sem confiança e fé também não é possível discernir que se algo não correu como o esperado, este acontecimento é mais uma oportunidade para aprender  a fazer melhor e/ou de forma diferente.

A baixa auto-estima e a falta de amor-próprio também conduzem à necessidade de comparação e à necessidade premente da aprovação dos nossos comportamentos, por parte dos outros.

O stress causado pela falta de confiança em si próprio pode atingir proporções tais que a ansiedade ou a depressão encontram uma cama confortável para se instalarem.

Se conheces alguém que se sente cansado, irritado, assustado, preocupado: seguem algumas informações que, concerteza, vão ajudar.

 

Colabora com o inevitável

Se perdeste o emprego, se alguém muito importante para ti já terminou o seu processo de aprendizagem e de crescimento neste mundo e, por isso, já partiu, se o teu relacionamento amoroso terminou, se o trânsito está caótico e não consegues chegar a horas ao teu compromisso, se tens falta de dinheiro… aceita.

Lembra-te, tudo na vida passa mas tu, tu ficas sempre, até que também termines a tua aprendizagem neste mundo e, em segurança, irás para outra dimensão.

Aceitar o que aconteceu é encontrar, dentro do teu ritmo natural, os próximos passos a dar para assumires o comando da tua vida.

 

Encontra o teu ritmo

Escuta o teu corpo. Ele está sempre a falar contigo. Ele tem o poder de te dizer que estás a ultrapassar os teus limites, que estás a trabalhar de mais, que estás a dormir e/ou descansar de menos, que na tua vida só há obrigação, falta de alegria e entusiasmo.

Quando te esforças demais não estás conectado com o teu centro e o corpo adoece.

Quando te sobrecarregas de trabalho e de tensão ficas exausto e sentes-te mal relativamente a muitas coisas.

Descobre o teu ritmo.

Não interessa se a tua mãe dorme pouco e consegue andar de um lado para o outro, com genica. Talvez, isto não seja genica 🙂 Talvez, seja mesmo alto nível de stress instalado na sua mente.

Não interessa se o teu colega de trabalho despacha mais trabalho do que tu. Talvez, privilegie a quantidade em deteriorimento da qualidade.

Mas, mesmo que dormir pouco e andar de um lado para o outro com genica seja genuíno, mesmo que despachar mais trabalho seja genuíno, tu não tens que te preocupar com isso. Tu não és menos válido. Está tudo bem.

Cada ser humano é uma expressão única da vida.

Encontra o teu ritmo: as pausas que precisas de fazer, o tempo de sono que precisas ter, o horário para as tuas refeições… …

Tu tens o teu próprio tempo. Quando o respeitas, quando respeitas o teu ritmo, estás em sintonia com o fluxo energético. Tudo se torna mais fácil e suave.

Se estás a tentar viver o ritmo dos outros, não te surpreendas com o facto de as tuas emoções andarem ao rubro, de a tua energia ser escassa, de o teu corpo estar doente ou fatigado, de a tua mente estar stressada.

 

Abranda

Às vezes, o nível de stress e de ansiedade é tão grande e, aparentemente, tão natural, que a agitação e o ritmo apressado com que “resolvemos” tudo, torna-se inconsciente. Passa a ser o teu comportamento.

Mas será que este comportamento é, realmente, o teu comportamento?

Será que estás a ser, realmente, tu?

Reduz o ritmo e faz tudo mais devagar.

Liberta-te do automático e sente os benefícios da tua abertura de consciência, quando te permites abrandar.

 

Estabelece prioridades

Costumas levantar-te numa agitação tremenda, querendo controlar tudo e, no final, não controlas nada? Ainda descontrolas mais?

Levantaste assustado com tudo o que tens para fazer nesse dia?

Respira fundo.

Observa o ritmo da tua respiração, o pulsar do teu coração, centra-te no teu corpo, centra-te em ti.

Poder ser 3/4/5 minutos…

O importante é que te sintas calmo.

Escreve, num papel, de forma aleatória, de acordo com o que a tua mente te vai dizendo, todas as tarefas que vais realizar, hoje.

Depois de todas as tarefas escritas, ordena as que são prioritárias e as que não são.

Finalmente, por ordem de execução, coloca as tarefas que são prioritárias e que consegues realizar, hoje.

Lembra-te de colocar pausas entre uma e outra para que possas serenizar, reorganizar e clarificar a mente.

Vive de acordo com o teu ritmo e de acordo com o fluxo energético. Aprende, treina-te a viver com fluidez, sem esforço.

Deixe um comentário