Karma? Destino?

Passou a estar na moda falar de Karma. Falar de Karma de forma negativa e fatalista.

Será que tens um Karma?

Será que vocês os dois têm um karma?

Na verdade, confesso-te que a abordagem do Karma como sendo um castigo que estás destinado a cumprir, nunca me fez sentido algum.

Se nascemos livres de memória consciente das nossas vidas passadas, em meu entender, é porque vimos com a oportunidade de aprender a fazer melhor.

E, melhor ainda, cada momento que passa é novo e fresco, por isso, a oportunidade de crescimento pessoal e o aperfeiçoamento está sempre, sempre presente. Apenas precisas de aceitar e abrir a tua consciência para algo bem maior que o passado, que é o momento presente.

E a verdade é que o karma está longe de ser um castigo, uma punição, por algo de “errado” que se fez nas vidas passadas.

 

Afinal, o que é o karma?

O Karma é o reflexo dos teus pensamentos, dos teus sentimentos, das tuas ações repetidas, ao longo da vida.

Reflexo da falta de amor que tens por ti, da falta de respeito que tens por ti, da falta de compaixão que tens por ti, da falta de conhecimento que tens de ti.

Reflexo de imputares sempre a responsabilidade no exterior e no outro e não em ti.

É que enquanto continuares a imputar a responsabilidade ao exterior e ao outro, aquilo que chamas de karma, persiste.

Porquê?

Por exemplo: os teus relacionamentos amorosos são conflituosos, desgastantes, diminuem a tua auto-estima?

A responsabilidade é do outro ou é tua?

Tua!

Sim, tua.

Porque a forma como te tratas a ti próprio faz com que as pessoas te tratem da mesma maneira.

Como assim?

Se tens amor, respeito e compaixão por ti, se conheces o teu valor único e genuíno, que todos temos, sentes-te merecedor de receber amor, respeito e compaixão, é isso que atrais dos outros.

Se não te sentes merecedor de receber amor e, muitas vezes, nem consciência temos que somos merecedores de recebê-lo, atraímos conflito e desarmonia.

O nosso exterior reflete o nosso interior.

Então o karma, aquilo que te está sempre a acontecer, está sempre a acontecer-te para que despertes para a mudança que tens de fazer em ti. Para o amor que tens que despertar dentro de ti, por ti.

Quando cresces no amor, no respeito, na compaixão por ti próprio, cresces no amor, no respeito, na compaixão pelos outros.

Tudo passa a ser mais harmonioso e, naturalmente, há pessoas que saiem da tua vida, há pessoas que melhoram o relacionamento contigo, há pessoas novas e harmoniosas que se aproximam.

Afinal, o Karma é teu amigo.

Ele está a falar contigo. Está a dizer-te: liberta-te do passado, liberta-te das mensagens negativas incutidas no teu sub-consciente, liberta-te da falta de amor, liberta-te dos pensamentos castradores, agarra-te, tu mereces receber o melhor,coragem, caminha e o caminho se abrirá…

Quando aceitares que a responsabilidade de te libertares do karma é totalmente tua, a janela da liberdade abre-se – se és a causa do teu sofrimento, tens o poder de mudar isso.

Se a causa do nosso sofrimento fosse, realmente, os outros, estávamos tramados 🙂 porque, ninguém muda ninguém, só cada um de nós tem o poder dentro de si próprio para se mudar a si.

“O trabalho sobre nós próprios é o mais difícil, mas o mais gratificante”- Jim Rohn

 

Quanto ao destino…

O destino não está traçado.

Compete-te a ti traçar o teu destino.

A vida é feita de escolhas.

Se escolhes o caminho da multidão, dos outros, vives sem fluidez e com esforço.

Se decides descobrir e abraçar a tua unicidade comandas o teu destino e vives com fluidez.

A nossa mente está minada de memórias, emoções, dificuldades e forças.

O primeiro passo é aceitar que todos estamos limitados na nossa consciência, pelo facto de vivermos em sociedades de amor condicionado.

Quando aceitares as tuas limitações, compreendes as mudanças que tens de fazer, para que a tua consciência se expanda e obtenhas, cada vez mais qualidade de vida.

Observa o teu karma, aceita o que ele te está a dizer. Descobre a força que tens dentro e ti para abraçares a mudança.

Traça o teu destino 🙂

Deixe um comentário