É Necessário Libertar Os Sentimentos

Os sentimentos existem, fazem parte da natureza humana.

Os sentimentos servem para :

  • perceber o tipo de pensamentos que estamos a ter,
  • perceber a causa de determinado sentimento,
  • perceber que mudanças podes fazer para alcançares uma vida mais feliz e confortável.

Há dois tipos de sentimentos. Os sentimentos negativos e os sentimentos positivos.

Os sentimentos negativos provocam desequilíbrio energético. A vida deixa de fluir. Os sentimentos negativos são: medo, ansiedade, raiva, ressentimento, culpa, tristeza, ciúme.

Os sentimentos positivos provocam equilíbrio energético. A vida flui naturalmente. Os sentimentos positivos são: amor, alegria, serenidade, gratidão, entusiasmo.

Vivemos num mundo onde a repressão de sentimentos é uma constante. Ganhar e alimentar emoções negativas impede a renovação e não permite que as coisas sigam o seu caminho natural.

O que provoca cada um dos pensamentos negativos?

Bloqueios. Bloqueios mentais.

Ansiedade e medo andam a par e passo. A ansiedade faz a pessoa sofrer por antecipação. O medo de errar está sempre presente. Faz com que a pessoa tenha receio de fazer alguma coisa, faz com que a pessoa se sinta ameaçada. O medo do que os outros possam pensar, o medo de ser criticada e rejeitada impede-a de usufruir do momento presente e aproveitar toda a informação útil para que o seu desempenho possa ser o melhor possível.

Raiva cria tensão pelo facto de estar aliada à necessidade em controlar uma pessoa, uma situação ou a nós mesmos. A necessidade de controlar tudo, encobre o medo que se sente.

Ressentimento é gerado pela mágoa e pela raiva que não foi libertada quando a pessoa foi alvo de ofensa, ofensa essa que pode ter sido consciente ou inconsciente.

Culpa é baseada no sentimento de imperfeição. Quando a pessoa avalia as suas ações  de forma negativa, sentido-se miserável pela “falha” ou “erro” que cometeu.

Tristeza é provocada pelo sentimento de insatisfação. Diminui a capacidade de ação.

Ciúme é o receio de perder algo ou alguém.

Estas emoções negativas criam doença e desarmonia interior.

Libertar estes sentimentos é um acto de amor amor por ti próprio. É desapegar daquilo que te faz mal. É promover o teu equilíbrio emocional.

É necessário tomares consciência das emoções negativas que tens, todos temos.

Estar consciente das emoções negativas que vão surgindo é precioso. Este estado de consciência permite-te desenvolver um processo que te capacita passar do desequilíbrio energético para o equilíbrio energético, da melhor forma que conseguires.

Descobrir os padrões mentais castradores responsáveis pela existência destas emoções dentro de ti, dá-te o poder de modificar as crenças e as ideias limitadoras sobre as quais tens vivido.

Dá-te o poder de criar uma nova realidade.

O medo, a ansiedade e o ciúme são sinónimo da falta de confiança em si próprio. A falta de confiança em si próprio resulta do facto de a pessoa não se amar. Aprender a gostar de si próprio e aprender a respeitar-se a si próprio gera confiança nas ações que empreende.

Saber errar faz parte da aprendizagem do ser humano. Faz com que os erros sejam vistos não como uma falha mas como uma oportunidade de aprender a fazer melhor.

A necessidade de controlar tudo revela a necessidade de abrir a consciência a novas formas de pensar e à multiplicidade da vida.

Cada pessoa faz o melhor que sabe, de acordo com os conhecimentos que tem, em cada fase do processo evolutivo da vida. Quando compreendemos o que está por detrás do comportamento da pessoa que nos causou mágoa, conseguimos sentir compaixão. Perdoar é deixar ir embora o ressentimento.

A prática do desapego, saber que tudo na vida é mudança e que tudo se transforma evita que a tristeza se perpetue por um longo período de tempo.

Aceitar o que se é e o que se fez desenvolve a capacidade de a pessoa se responsabilizar em ser e fazer melhor.

Todos estes pensamentos ajudam a libertar-te das emoções negativas.

Não te sintas inferior por sentires emoções negativas. Liberta-te da vergonha e da culpa. Estas emoções funcionam como sinal de alarme. Possibilitam descobrir que padrões mentais podes modificar para que vivas o mais confortável possível. Este processo exige coragem, paciência, gentileza e resiliência contigo próprio. Neste processo, os avanços e recuos são normais.

Para além da mudança dos padrões mentais, podes acrescentar ações que complementam a libertação dos sentimentos:

  • falar com a pessoa que te feriu,
  • falar em frente ao espelho, contigo próprio ou imaginando que a outra pessoa está ali,
  • fazer exercício físico,
  • bater em almofadas,
  • meditação.

Despega-te do piloto-automático. Decide parar  e trabalhar, dentro de ti, os padrões mentais que criam as emoções negativas.

Deixe um comentário