Duas Razões Para Fugir Das Queixas E Das Críticas

Para nos mantermos em sintonia com o princípio da unicidade:

Quando nos queixamos estamos numa frequência negativa. A queixa nasce do ressentimento, do descontentamento, do sentimento de que algo falta, da ausência de alegria e de satisfação, da censura, da crítica, da repreenda severa.

Quando nos queixamos ou nos focamos a ouvir outras pessoas a queixarem-se, estamos a atrair para a nossa vida mais situações para nos queixarmos.

O que pensamos gera sentimentos. Os sentimentos geram energia. Esta energia negativa, gerada pelas queixas e pelas críticas, cria uma vibração energética equivalente. Queixas e críticas atraiem mais queixas e críticas. Criam divisão e afastam da unicidade. Esta é a lei do Universo, a lei da atração.

Todos somos parte integrante do Universo. Todos estamos imersos num único conglemorado energético. Todos temos um corpo que vibra. Todos vibramos juntos. Daí a expressão, todos somos um.

Quando nos entregamos ao julgamento, às queixas e às críticas, afastamo-nos da unicidade.

Ao nos afastarmos desta unicidade, impedimos que as coisas boas aconteçam.

Para que as coisas boas aconteçam, para mantermos a unicidade e nos libertarmos da cisão, exercitemos a isenção total de julgamento.

Podemos dar a nossa opinião e ouvir a opinião do outro. Podemos respeitar a nossa opinião e respeitar a opinião do outro. Libertemo-nos da tendência para dominar o outro através daquilo que consideramos ser o melhor.

 

 

Gerar Relacionamentos Harmoniosos

“99% dos homens não se censura pelos seus próprios erros, por muito que haja errado”

Com opiniões e crenças formadas, cada pessoa age o melhor possível, de acordo com os conhecimentos que tem, em cada fase do processo evolutivo da vida.

Para a maioria das pessoas, a forma como agem e falam, em sintonia com as circunstâncias externas do momento, é dada como correta. Para muitas, a forma como fizeram as coisas não podia ter sido de outra maneira ou porque não entendem mesmo que há outras formas de fazer ou porque há falta de humildade em assumir que todos erramos e que é com os erros que aprendemos e evoluímos.

“Não os censureis: eles são exatamente o que nós seriamos em idênticas circunstâncias” – Abraham Lincoln

Sermos indulgentes e não condenarmos ninguém evita o ressentimento.

Troquemos a condenação pela compreensão. Procuremos saber qual o motivo que levou a pessoa a agir de determinada maneira.

“Este processo é muito mais eficiente e instrutivo do que a censura e dá ensejo à simpatia, à tolerância e à bondade”

Deixe um comentário