Dar Opinião É Diferente De Julgar . Julgar É Diferente De Dar Opinião

Dar opinião e julgar resultam de ser ou parecer, respetivamente.

Dar opinião está relacionado com o teu encontro, com a tua essência. Com aquilo que é verdadeiro para o teu coração.

Julgar está relacionado com todas as ideias e crenças limitadoras que nos são incutidas desde crianças. Inseridos numa sociedade de amor condicionado, castradora da essência única e genuína de cada um, cedo somos julgados, cedo nos ensinam que estamos errados, cedo nos ensinam a julgar. Quem é julgado, julga.

Quando te permites elevar para além daquilo que te foi dito, para além daquilo que te foi imposto, começas a questionar se o que dizes e o que fazes – cópia de comportamentos e ideias repetidas ao longo de gerações – tem ou não sentido para ti.

Lembro-me de uma vez estar a ralhar com a minha filha quando, de repente, me deu um clic, a verdade do meu coração surgiu: Mas, estou a aborrecer-me com isto, porquê? Isto não é meu é da minha mãe.

Na verdade, talvez também não fosse da minha mãe. O mais natural seria ser um comportamento repetido, de geração em geração, incutido no subconsciente de cada um, sem nunca ninguém se ter permitido perguntar se faria sentido.

Assim, quem julga continua apegado ao ego humano – aquilo que nos afasta do nosso centro, da nossa unicidade; aquilo que impede que a vida flua; que impede o encontro da nossa essência com a fluidez universal. O ego humano bloqueia a sincronicidade.

Ao invés de se desafiar a si próprio a lapidar o lixo contido no subconsciente que o impede de ser, preocupa-se em falar e criticar os outros e a vida dos outros. Se se é diferente daquilo que nos impuseram acreditar é-se má pessoa.

O julgamento cria cisões com o Todo. Coloca-te numa frequência negativa e cria novos laços cármicos geradores de sofrimento. Levas a vida a parecer e não a ser. Dificilmente tens a tua opinião formada ou se a tens, muitas vezes, permaneces em silêncio, o que é que os outros irão pensar? Estás preso ao pensamento coletivo, ao ego humano, à mente cheia de padrões castradores.

Quando te permites ser em consciência, és quem és e não o que os outros ou a sociedade querem que tu sejas. Percebes que o caminho da evolução pessoal resulta da abertura e da expansão da tua consciência – a busca de novos conhecimentos, a meditação em silêncio são dois grandes aliados para rasgares horizontes atrás de horizontes – Há mais horizontes para além do horizonte.

Interiorizas que cada um está a fazer as suas aprendizagens, que cada um age com os conhecimentos que tem em cada fase do processo evolutivo da vida, que tu já falaste e fizeste coisas que, hoje, não te fazem sentido algum, por isso, tu sabes que mesmo que alguém esteja a dizer ou a fazer coisas que a ti não te fazem sentido algum, compreendes e respeitas que isso está relacionado com o nível de conhecimento, alegria e amor que cada um contém em si. Não tens medo de mudar de opinião porque sabes que continuar a expandir a consciência traz novas aprendizagens que podem resultar num novo entendimento.

A isto chama-se respeito: respeito pelo fragilidade do ser humano, que mesmo o homem mais evoluído contém em si.

, permite-te dar a tua opinião. Quem dá opinião respeita a sua opinião, está relacionada com a verdade do seu coração, com a sua essência. Quem dá opinião, respeita a opinião do outro pois sabe que a opinião de cada um está relacionada com o nível de conhecimento, alegria e amor que cada um contém em si.

Respeitar a opinião do outro significa: escuto a tua voz, tenho a liberdade de me identificar ou não com ela. Mesmo que não me identifique com ela, respeito o teu entendimento. Se as nossas opiniões permitirem vivenciar um relacionamento saudável, seguimos caminho juntos, se tal não for possível, que cada um trilhe o seu caminho em paz.

6 comentários em “Dar Opinião É Diferente De Julgar . Julgar É Diferente De Dar Opinião”

  1. Vivemos num mundo dominado pelo julgamento. Julgar é ver as coisas por fora, Pela aparência… sempre o LADO negativo…
    então toda a gente opina sobre a vida do outro.
    Falar dos outros é fácil, difícil é mergulharmos na nossa essência…
    Difícil é conhecermo-nos a nós próprios…
    O ser humano tem medo deste autoconhecimento, tem medo de descobrir a sua verdade interior..
    Então prefere a superficialidade ,a futilidade…
    Alguns evoluem para níveis superiores de autoconhecimento onde a critica e o julgamento dão lugar a uma consciência evolutiva.
    Então a SINCRONICIDADE ACONTECE…
    NADA temos que fazer, apenas desapegar…
    Não somos donos de nada, mas podemos ter tudo, basta ouvir o nosso coração e no silêncio descobrir a nossa verdadeIRA essência..

    Responder
    • 🙂 E, quando, finalmente, conseguimos parar de nos criticar a nós próprios o julgamneto é cada vez mais raro de acontecer 🙂 Aquilo que está dentro de nós, espelha-se no exterior 🙂

      Responder
  2. Hoje ouvi o psicólogo Dr. Quintino Aires, tem mais medo dos que ficam em silêncio, dos que explodem, não faz mal dar o seu grito de a nossa opinião não for essa, nunca fique calado quando achar que deve dar a sua opinião.

    Responder

Deixe um comentário